jueves, 26 de diciembre de 2013

Rep.Dominicana: primer pueblo africano de América

República Dominicana: 

primer pueblo africano de América

Conferencia Internacional “Solidaridad y Derechos Humanos en el Liderazgo Politico Global del Siglo XXI” - 13 -16 Febrero 2013 - Madrid Spain

pueblo negro pero la élite blanca eurocentrista minoritaria gobierna

Por Lourdes Antuan

La Organización de las Naciones Unidas –ONU– proclama el periodo 2013-2022 como “El Decenio de los afrodescendientes” mediante la Resolución A 66/460 del 2 de diciembre del 2011. La misma fue antecedida por la proclamación en el 2011 “Año Internacional de los Pueblos Afro descendientes”.

Tanto la ONU como su agencia especializada en materia de educación, ciencia y cultura: UNESCO, realizan estudios, sociales, económicos, de carácter cultural, educativo, entre otros, consignándoles 10 años, tiempo éste, en que cientistas, artistas estudiosos, especialistas y expertos se aboquen a investigar y realizar estudios de distintos aspectos de la vida de las personas afrodescecndientes en los diversos entornos; su evolución, avances y características, que muestren la realidad de nuestra diversidad planetaria.

En esta oportunidad la Organización de las Naciones Unidas anima a la comunidad intelectual internacional a investigar y profundizar estudios sobre diferentes aspectos de la vida de los afrodescendientes en su ambiente circundante, su trayectoria y sus adelantos en la sociedad de hoy. Solicita al grupo de expertos sobre los afrodescendientes que formule un programa de acción para su realización en el mencionado decenio, y ser conocido, difundido y que se ponga en marcha en diciembre del 2012. La referida Declaración podría implicar la elaboración de una nueva metodología para abordar tanto la consulta de los archivos y la historiografía disponible sobre la temática; así como difundir y especificar esta nueva línea de investigación con exhaustivos estudios cuantitativos y cualitativos de las consecuencias de la esclavitud de finales del siglo XV y desde el siglo XVI hasta el siglo XIX, a través de la Trata de esclavos o Diáspora forzada con personas originarias del continente africano e integradas a este continente nombrado América, que incluye la región del Caribe, regenteada por europeos y africanos.

Los europeos mercaderes o negreros contribuyen a fortalecer la acumulación originaria de capitales de la Edad Moderna a través del sistema social y económico de la esclavitud y los africanos expulsan pueblos dominados que entorpecían la estabilidad de sus bienes, entre otras, pero perjudicó su desarrollo debido a la gigantesca expulsión de población calculada por investigadores americanos y africanos en más de cien millones de personas. Después de más de cinco siglos, el balance de la integración de la población africana al continente americano, revela una nueva imagen identitaria y la expresión de nuevas culturas producto de la mezcla étnico-cultural que han conformado los pueblos de América y el Caribe y culturas producto del intercambio entre los pueblos que manifiestan esta diversidad.
Un ejemplo de la mencionada diversidad de América lo constituye la Región del Caribe particularmente la República Dominicana. Podríamos decir que República Dominicana es el primero de los pueblos afrodescendientes del continente americano.
En la isla Bohío-la Española-Santo Domingo, los africanos y africanas están presentes desde finales del siglo XV. Carlos Larrazábal Blanco señala que para 1496, cuando se funda la ciudad de Santo Domingo, había esclavos y apunta: "blancos, berberiscos o negros tal vez traídos de contrabando" (Carlos Larrazábal Blanco, La Esclavitud del Negro en Santo Domingo, pág. 12). Tres testimonios de esta realidad histórica encontramos en el historiador clásico José Antonio Saco, en su obra Historia de la Esclavitud, Pág. 164, que cita la introducción de esclavos africanos antes del 1501.
También, en varias comunicaciones de las autoridades de la Corona Española: tales como el gobernador Frey Nicolás de Ovando y el juez de residencia Alonso Suazo.
Ovando, en 1503, trae las instrucciones de los monarcas españoles de introducir población africana de los nacidos en Europa (Portugal y Sevilla), pero al llegar a la Española encuentra numerosos esclavos levantiscos, es decir, alzados, entonces pide suspender el tráfico hasta el 1505 en que lo reanuda.
Los negros esclavos y esclavas traídos de los existentes en Portugal y el Sur de España son los llamados negros ladinos, es decir, transculturados y son introducidos posteriormente para ayudar a los nativos en las duras faenas de la extracción aurífera, por gestiones fundamentalmente de la Orden Religiosa de los Dominicos.
El juez de residencia Alonso Suazo, por su parte, se acoge a la demanda de esclavos bozales y en grandes cantidades, es decir, los traídos directamente de África. Esta demanda la hacían los padres Jerónimos quienes eran los administradores de la isla a partir de 1516 con el fin de garantizar el éxito del cambio de la economía del oro por la economía de las plantaciones, ingenios azucareros y hatos ganaderos.  Alonso Suazo pide esclavos hembras y varones, un centenar de cada sexo para formar, según él, pueblos con ellas y ellos a usanza y costumbres españolas. (Carlos Larrazábal Blanco. La Esclavitud del negro en Santo Domingo, Págs. 12-22).

En el decenio 2013-2022 los investigadores, estudiosos y expertos de la presencia de África en América y el Caribe tienen la ardua tarea de realizar sus más enjundiosos trabajos sobre este tema complejo y diverso donde República Dominicana forma parte importante de ese proceso histórico-cultural.
El trasiego de población africana a la Española fue intenso, unido al dinamismo de la mezcla biológica o resultado de mestizaje entre españoles e indígenas (mestizos y mestizas primero, luego con las esclavas africanas mulatos mulatas) y la mezcla entre estos. Además la reacción antiesclavista, manumisión y más tarde la abolición. Estos aspectos de la vida colonial constituyen factores fundamentales para la recreación y sincretismo cultural y también para que las disposiciones contenidas en el Código Negro Carolino expresaran para finales del siglo XVI, que la mayoría de la gente de la Española era la mezclada (Javier Malagón. Código Negro Carolino, Pág. 168). 
La división de la isla la Española-Santo Domingo se inicia con las Devastaciones del gobernador Osorio, ordenada por los monarcas, a principio del siglo XVII, los inversionistas colonos habían perdido interés en el territorio y se desplazaban al Virreinato de la Nueva España, México y a Sur América tras las piedras preciosas, se presenta entonces en la Española una situación crítica en la economía del azúcar y hay un mayor énfasis y cambio al hato ganadero que trajo como consecuencia el relajamiento de los rigores de la esclavitud, la proliferación en la mezcla biológica, el asedio de las naciones europeas enemigas de España entre otros.

De ahí, las autoridades españolas para enfrentar a las naciones enemigas y contrarrestar la actividad corsaria organizan en la Española batallones integrados por pardos y morenos libres (negros y mulatos) para proteger y defender la isla, con lo cual estos ex esclavos adquieren otro estatus social y político a pesar de los prejuicios. En la segunda mitad del siglo XVII dos tratados: Nimega 1678 y Ryswick 1697, firmados entre Francia y España tienen como resultado la tolerancia en la isla de los franceses en la parte occidental y el reconocimiento formal a estos en el territorio de la Española, con lo cual se crea la colonia francesa de Saint Domingue en la parte occidental hoy República de Haití y continuó la colonia española de Santo Domingo en la parte oOriental hoy Republica Dominicana.

En virtud del tratado de tolerancia, los franceses traen población de origen africano de sus factorías situadas en África, fundamentalmente de Dahomey. La colonia española seguirá abasteciéndose de los negreros de las potencias amigas y realiza cuatro viajes al continente africano en busca de población, en razón de que España no se dedicó a la trata sino que se abastecía a través del mercado y la compra. La mayoría de la población dominicana oriunda de África es de lengua y cultura bantú, una minoría de cultura yoruba. Además, en la primera mitad del siglo XIX, durante la unificación con Haití, el gobierno haitiano en coordinación con el gobierno de los Estados Unidos integra población negra libre proveniente del sur de los Estados Unidos de América y los ubica en Samaná, San Cristóbal y Puerto Plata con el propósito de reactivar la economía.

Con el propósito de impulsar y modernizar la industria azucarera, en la segunda mitad del siglo XIX y primera del XX, se solicita y motiva la inmigración de población de las Antillas Afro inglesas principalmente, estos inmigrantes se integran a la población, no obstante al flujo proveniente de la parte occidental de la isla desde el siglo XVIII. Así que la República Dominicana es uno de los pueblos afrodescendientes de mayor mezcla de culturas y personas venidas del África, mezcladas y sincretizadas en América, así como ligada a la población y cultura española y nativa. Los prejuicios y estereotipos provocados y posteriormente establecidos por la colonización española con relación a la población autóctona y a la de origen africano, mezclados o no, van a generar en la conformación de la mentalidad social de los nuevos pueblos una serie de complejos y comportamientos inadecuados en relación a sus identidades sociales y culturales como fruto del desconocimiento de la unicidad de la raza humana, de la multietnicidad y diversidad en América y en el mundo.

 De lo antes expuesto se infiere la importancia de que la población dominicana conozca, valore y asuma su historia y cultura, su identidad para lograr la plenitud espiritual que le dará la fortaleza y capacidad para integrarse al desarrollo de su país. El reconocimiento del aporte africano a la dominicanidad, robustece su identidad social y cultural. 

jueves, 19 de diciembre de 2013

TRIBUTO A MANDELA

                                                                                                                                                                  
NOTA DE PRENSA 




























Con el titulo LA VERDADERA HISTORIA DE LA LUCHA NEGRA CONTRA EL APARTHEID Y EL SIGNIFICADO POLÍTICO DE NELSON

MANDELA PARA L@S AFRICANoS HOY, AQUÍ Y AHORA

 El Movimiento Panafricanista Garveyista y Cimarron de España, organiza un ACTO POLÍTICO de carácter militante y comunitario en homenaje póstumo a  MADIBA. El 21 sábado en espai jove calle grand de Gracia 190  Barcelona desde las 16:00h.   

Intervendran oradores y dirigentes del movimiento negro.

Benjamin Ogsayefo, dirigente panafricanista en Barcelona aclaró que: "hoy mas que nunca, los garveyistas en todo el mundo no solo en el estado español tenemos la responsabilidad de preguntarnos seriamente 

¿ CUAL ES EL  SIGNIFICADO POLÍTICO DE NELSON 

MANDELa para L@S negroS HOY, AQUÍ Y AHORA?" . 

Según Grand Cast  secretario general FOJA, "entre los horadores confirmados estan los maximos dirigentes de nuestra organizacion, gente que los jovenes negros respetan mucho":

El presidente Kemit Kareba de Federacion Panafricanista Catalunya. El presidente
 
Abuy Nfubea de confederacion Panafricanista España, la Dra Esther Stanford-Xosei  PARCEO IV internacional Panafricanista Europa  y la dominicana Martha Trujillo Lopez líder Panafricanos Barcelona. Tambien se preve la presencia via skyp de historicos dirigentes del panafricanismo español como RasBabiker, Baldw Lumumba, Lourdes Antuan, Rufina Abaga, Madyba Cisse, Obiang Nsang, Luenkan Ogsayefo, Lio Nzumbi, Ataye Mbenky, Luis Alarcon o Kennedy Ijaho

Otras intervenciones aun por confirmar es la de Winnie Mandela y las delegaciones de la IV internacIonal de Brasil, Suiza, Haiti, Guinea Ecuatorial, Jamaica, Israel, Alemania, Francia, Palestina, Zimbabwe, Reino Unido, Venezuela, Portugal, Dinamarca, los gobiernos de Angola, Cuba y Sudafrica Por su parte Juan Manuel  Martin dirigente  panafricanista de Alicante aclaró a radio voz de África que: "Este histórico y trascendental acto, es por los encerrados en CIES, los desalojados de Cal Africa, los manteros del del top manta, los que sufren las redadas,  las mujeres del sector domestico sin derechos, los que se  rebelaron en Londres en 2011 y en 2013 en Suiza, la generación Hip-Hop enferma de catarsis,  que representan lo mejor del legado de Mandela, la fe y esperanza de futuro para renovar nuestra misión histórica como cimarrones".

El presidente y líder nacional Abuy Nfubea, llamó al conjunto del movimiento y en especial a los jóvenes "a defender -sin miedo ni complejos -desde un discurso politico nuestra contribución historica como vanguardia negra a la liberación y mejora de la humanidad-no sólo de los negros"

Al acto también han sido invitados artistas, intelectuales, raperos, inmigrantes o escritores como Papa Roma, o el escritor y miliante afrocubano Rigoberto Cairo desde Quito Ecuador y todos los partidos políticos del arco parlamentario  (psc, pp, ciu, cup, icv, cc, upyd, erc) 

En ese sentido la histórica dirigente negra Rufina Abaga recordó que - "la muerte de Mandela, nos evita por cualquier medio necesario como decía Malcolm x  a que nadie nos robe ni la legitimada ni memoria, ni las armas doctrinales, ni el VERDADERO sentido y dirección existencial  de MANDELA". 

Desde Madrid Dj Moula Sasebwera aclaró que : "es un momento muy triste no por su marcha sino porke algunos tratan de deformar la historia y debemos estar muy pilas, porque la LUCHA que encabezó Mandela no fue para reformar la plantación con una mano de pintura negra,  sino por quemar la casa del amo, liberar a los esclavos, repartir el dinero con los pobres y abolir la esclavitud, porque como dijo la ONU en Durban 2001, el terror - genocida  no  puede ser ni amnistiado, ni prescribe solo puede ser abolida". 

jueves, 12 de septiembre de 2013

CURSO HISTORIA PANAFRICANA MARCUS GARVEY & la UNIA

CURSO HISTORIA PANAFRICANA  
RECOMENDADO PARA ESTUDIANTES PERDIDOS Y CON CATARSIS 

MARCUS GARVEY & UNIA 

Sábado 5 octubre 11: 00H
  
SEMINARIO  intensivo

Marcus Garvey és el mas gran de lider africano de todos los tiempor .Activista jamaicano, pensador, filósofo, organizador, líder negro que durante. Fundou e  dirigiu uma organização, Associação para o Progresso do Negro ( UNIA) e a Liga das Comunidades Africanas,  do qual espalhou pelo mundo , chegando a ter cerca de 11 milhões de miembros  defendeu e pôs em prática uma educação afrocêntrica para extirpar os rastilhos dos colonialismos, ou seja, a visão de que a África é um continente sem História e que os negros não deram nenhum contributo para o mundo dito civilizado. Este preceito é o que Amílcar Cabral mais tarde viria a chamar de “Reafricanização dos espíritos”. 

Este curso está elaborado como complemento a nuestra FORMACIÓN humanista  e integral ciencias Políticas y sociología, donde contratarás los apuntes correspondientes a cada tema y una serie de recursos y actividades que te ayudarán a comprender y a estudiar la  HISTORIA de liberación panafricanista AFRODESCENDIENTE, NEGRA, AFRICANA de mas importante delos lideres y referentes africanos de todos los tiempos. Lo que nunca que enseñaron ene el colegio .
 

Pero los apuntes, clases y curso presencial no pueden reducirse a trasmitirte unos conocimientos sino que con ellos pretendo que tomes conciencia de la realidad en la que vives, desarrolles tu espíritu crítico y asumas tu responsabilidad como heredero de un pasado y hacedor de un futuro. Garvey defendeu e praticou a ideia de que o negro deve-se lanzar na luta Politica e económica para construir a sua Própria economia, o que veio fazer  com Black Star Shiping Lines. Black Star Shiping Lines era una empresa de navios que Garvey criou para facilitar o transporte de bens e de africanos que quisessem regresar a África, ideal que ele defendeu.   Essa estratégia vai permitir-nos “ Fazer por nós mesmo” e tornar um povo livre e autodeterminado.

Te abrirá el horizonte y contagiarte esperanza; trasmitirte que tienes en tus manos la posibilidad de hacer un mundo más humano, más digno y más justo. A partir del conocimiento de hechos, personajes, aciertos y errores del pasado, este curso (clases, apuntes, recursos presencial...) procurará ofrecerte unos ideales y unos valores que te ayuden a crecer como persona y te conduzcan a la lucha por la consecución de un mañana mejor. Por todo ello las clases de Historia AFRO debe ser "algo más que una clase más".

Malcolmx  University
esencia - esperanza 8 Madrid Spain metro Lavapies

 11: 00h- 17:30h  puntualidad 
Matricula:
 20€ con diploma 15€ sin diploma 

viernes, 6 de septiembre de 2013

congreso Panafricanista en Santo Domingo

I Conferencia Internacional 2-5 DICIEMBRE 2013

AFRICA en Republica  Dominicana : Presencia cultural bantu en Santo Domingo;
 Angola, Guinea Ecuatorial y Nigeria


UNIVERSIDAD CATOLICA 
DE SANTO DOMINGO UCSD
Santo Domingo Republica Dominicana 
Contacto: Lourdes Antuan
Telf: 0018099815732 Email:


domingo, 18 de agosto de 2013

BLACK PANTHERS IN SPAIN: AN AFROCENTRIC VISION OF SPANISH DEMOCRACY

THE HISTORY OF BLACK PANTHERS 
IN SPAIN: AN AFROCENTRIC
 VISION OF SPANISH DEMOCRACY 
Celebrate the eternity of our Savior, the great Afrospanish history with Dr. Alfonse Arcelin and the Hip-Hop  generation;  Saturday  (11:00 AM-) with ABUY NFUBEA  at the University Summer Anticapitalist Left, La Granja Segovia Spain. See you there! radiovozdeafrika- Castilla
Garvey's universal popularity  25th  of Black Panther Party Foundation in Spain 
 
 LET THE TRUE SPIRIT and  IMPACT of VISION OF HUEY NEWTON & KALHID MOHAMMED in Spain RISE, SO AFRICA AND AFRICANS CAN TRULY RISE!
 
 Saturday 24th Agoust  
Come, invite someone and reaffirm your revolutionary istory, political and economic blessings for the now and
generations to come. This and other businesses will also serve as one NOW YOUR HISTORY . 

25TH ANIVERSSARY OF AFRICAN LIBERATION MOVEMENTS IN SPAIN 1988-2013

  The Honorable Brother Abuy Nfubea
Come Join and know your history for a powerful event with our beloved Brother & other veterane of the movement. He comes with the best of our Ancestral Legacy!!!
 Abuy Nfubea He is international African leader freedom figther  and Executive Director of the reperation comitte in Spain who won in 2010 a reparation statemEnt at Spanish parliament , and is co-founder of  Pan-Africanist confederation  with branches in all over Spain. In 2001 After Durban conference Brother Abuy  created to establish Winnie Mandela award to  recognied the vanguard of African women revolution. Born in Equatorial Guinee, Nfubea’s political life began at Free Mandela mOvement as an student activist at high school  boikoted a Barcelona Olimpic games  in support Dr Arcelin to remouved a black man from Namibia who was dissecated at the Banyoles Mousseum. Abuy was founding member in 1988 of Los Colours, an African youth gang in Fuenlabrada  that in 1990 evolutioned to the Spanish branch of the New of Black Panther Party. The roll of this organization was stop the terrorism impunity of Skind head Nazi  who aterrorized African comunitty nowing to us FOJA. Brother Abuy Nfubea. Years before was studient leader at  Public enemy fan club at the Labour University and the Franzt Fanon afrocentric association  at University of Alcala, After the killing of sista Lucrecia Perez by NAZI and police group called Panthers chapter from over the Spain to defended African Comunitty. As journalist he built the voice of africa radio the oldest  african radio programe, omowale magazine, wanafrica newspaper  an diferents media inictive for the community.  In 1998 he was the head of Spanish delegation at A million Youth March and deep impacted by the Malcolmx interpretation and  teaching of Dr Akinyele Umoja . In 1996 he was arrested and incarcerated with other student leaders by for challenging and mobilizing mass support against the magics king painting on white. After Durban conference he called 101 African organization to grassroot community discussion nown as Omowale pocess and built a new political process. After Paris and London riots Abuy  traveled all over Europe and Latin America called the African youth  to organized and "kill their Negro leaders" and built a new international based on Garvey, Malcolm X. As a consecuence of this new international Abuy opened a office in Brussels EU to figth for ther economical  empowerment of African Comunities in Spain, Portugal Latin America. As a consecuence of that today the africans organization in Latin America recieve ECONOMICAL support  for the European union and UNESCO. He founded a European Black journalist and editors Association. As a consellor of president Evo Morales Nfubea worked at the constitutional reform of Republic of Bolivia  this job convert black peoples in Boliva in a political community and launch 3 Africans candidate to the senate. Abuy hold diferents an honorarian doctoral Universitie Indigena de Bolivia, Libia,   ect.... A dynamic public speaker, writer, father, broadcaster, lecturer, organiser and cultural ambassador, Abuy is an international advocate on human and people’s rights including women’s rights, reparations, debt repudiation, social justice and development. The last book of brother Abuy is Malcolm X y la generacion Hip-Hop editrial Garaje 2013 

miércoles, 12 de junio de 2013

curso: 25 años Panafricanista de España


    • FORU MIGRANTES UNIÓN EUROPEA calle Lisboa 262 en Sevilla.Spain

    • CURSO DE VERANO -SUMMER UNIVERSITY 
      Universidad Panafricanista de verano Malcolmx- Garvey 
      Malcolm Garvey Pan-africanist university Summer

      Cátedra Dr. Alfonse Arcelin Campus Sevilla

      25 ANIVERSARIO DEL MOVIMIENTO PANAFRICANISTA DE ESPAÑA 1988-2013 
      25th ANIVERSARY OF PAN-AFRICANIST MOVEMENT IN SPAIN 1988-2013

      PRESENTACIÓN-INTRODUCTION

      Hace 25 años, en un parque de la ciudad madrileña de Fuenlabrada un grupo de jóvenes negros decidieron unificarse y fundar la Hermandad de Los Colours, que se integraba así el germen evolutivo de la corriente Panafricanista, Garveyista cimarron de España. Han sido décadas de existencia, de lucha por el Poder Negro, con sus aciertos y errores, pero siempre con un mismo hilo conductor: siendo capaz de articular un tipo de sociedad distinta, combativa, participativa y solidaria en defensa y unidad de la comunidad negra para construir la alternativa garveyista como objetivos socio-políticos centrales.

      Para ello integró no sólo a un mayor numero de organizaciones negras en la historia moderna de España sino también a personas proyectos diversos realizando una experiencia de autoorganización, liderazgo y coordinación entre sectores afroespañoles ilusionados con mayores cotas de libertad y supervivencia que provenía de concepciones, experiencias . siendo central en estos años PARA ENTENDER la imprescindible LA EVOLUCIÓN de España en la lucha contra el racismo, la España de la diversidad, libertades y así como los marcos legislativos que ampliaron proceso democrático la emergencia del 15-M .
       
      En este curso abordaremos, no sólo el proceso sino las ideas, el legado y herencia de estrategia para conocer con rigor la evolución de la lucha de los y la realidad de la inmigración . Desde este planteamiento este curso de verano nos invita a todos cuantos querrías conocer profundizar y aprender -sin miedo- SOBRE TODO A LOS MAS JÓVENES SIN REFERENCIAS de esta genuina experiencia afrocentrada negada e visibilizada pero presente durante estos estos 25 años.

       Uhuru!!!



      PROGRAMA-PROGRAMME

      ANTECEDENTES 

      Los negros en el franquismo 1968-1975
      Decreto Adolfo Suarez 1981
      Transición española:de españoles negros a subsharianos 1976-1986
      Ecuatoguineanos Fudacion Maleva 1977

      ORÍGENES

      Imaginario eurocentrista 
      Transición  Negación de la negritud de España 
      impunidad terrorismo NAZI
      Afrika Sport y el rastafarismo
      Free Mandela Y LA DISCOTECA sTONES 

      PANTERAS NEGRAS Y OTRAS JÓVENES 

      Malcolmx y Movimiento Hip-Hop 
      Hermandades: Los Colours, Bra, Simplemente Hermanos, Man 
      Del Cojo Manteca a la FOJA 
      1992 ¿Encuentro entre dos mundos?
      Boicot a las olimpiadas 
      Lucrecia Perez
      1995 La llamada Final 
      Negro de Banyoles
      Escuela de la filosofía africana 

      HIPÓTESIS EPISTEMOLOGICA

      Afroespañolidad como historicidad vs afropesimismo
      Necesidad de una proyecto político, orgánico desde para y por los negros
      Memoria histórica negra
      En defensa de los negros del campo

      MARCOS IDEOLÓGICOS

      Cimarronaje, Malcolmx Panafricanismo Garveyismo
      grassroot o liderazgo de base 

      REFORMULACION ESPIRITUAL

      Del eurocentrismo a la afrocentricidad
      De la catarsis a la militancia 
      De la negación al sentido de pertenencia 
      De inmigrantes a comunidad negra

      REFORMULACION CONCEPTUAL 

      Del tutelge a la autoorganización
      Del racismo al neocolonialismo
      Del feminismo vs Mujerismo
      Del africanismo vs Panafricanismo
      Mediación intercultural vs referencia
      De Integración al Poder Negro
      De las subvenciones a la autogestion económico

      DEL FOLKLORE AL PROCESO POLÍTICO

      Luchas migratorias Encierros del 2001
      Proceso Omowale Malcolm X 
      Progrom de El Ejido y Tarrassa
      Marcha por la reparación 12 oct
      La organización Estados Unidos de Africa
      I Congreso
      2 Congreso Panafricanista
      Día de África 
      Convención Afroeuropea Asturias
      IV Congreso Catalunya 

      INTERNACIONALIZACIÓN CAUSA NEGRA

      Creación de instituciones internacionales europeas:
      Forum Andalucia 
      GAC Union Africana 6 Region 
      oficina atención afroespañola Bruselas
      Haití Agenda 2004 
      RH595
      UNESCO
      2011 año mundial afrodescendencia
      ONU Ginebra

      ORGANIZACIONES

      CECRA,SENGALESES REGIÓN MURCIA, SANKOFA, OEUA, 
      MALEVA, FUNDACIÓN VIDA, CENTRO PANAFRICANO,  
      FOJA, CARE, FEDERACIÓN PANAFRICNISTA, AFROVASCA
      Alto Consejo de Comunidad Negra, club social kie  ntem 

      MEDIOS DE COMUNICACIÓN 

      Tam-Tam
      GEA
      Radio voz de África 
      Nsibidi
      Wanafrica:

      ORGANIZACIONES DE MASAS 

      CEIM
      Coordinadora Antifascista del Henares
      Paso de Cebra
      Campaña free Celia 
      Cal África
      Parlamento negro 

      Free Prisca Oyono
      15-M

      NEGROS DEL CAMPO

      Emprendimiento
      La dignidad de los Sin papales 
      Ningún ser humano es ilegal
      Carnet de conducir
      Tarjeta Sanitaria  

      REPARACIÓN NEGRA

      Durban Sudáfrica 2001
      PNL reconocimiento y perdón esclavitud 2010
      Ley 62/2003
      PARCOE -Spain

      Ley cooperación afrodescendiente, 
      Burgos 2009

      IMPACTO SOCIAL 

      marco Institucional 


      REFERENTES

      Dr. Alfonse Arcelin, Ras Babi, Tcham Bissa, Obiang Nsang, Abuy Nfubea, Luis Alarcon, Marcelino Bondjale, Kennedy Ijaho, Carlos Ferreyra, Baldw Lumumba, Ataya Mbenky, Lio Nzumbi, Martha Trujillo, Norberto Akapo y Jose Tigre Mendez 

      HOMENAJES

      Profesor Dr. Adolfo Luis Gonzalez (Prof Universidad de Sevilla artífice de la PNL )


      Organiza: Comite Panafricanista de Sevilla- ConFederación Panafricanista
      Colabora: FORUM europeo de inmigrantes grupo Andalucía 

      inscripción: 45 €
      infojuventudnegra@gmail.com

      Director: Edilema de Mota 
       

martes, 28 de mayo de 2013

BRASIL: PAREMOS EL GENOCIDIO CONTRA LA JUVENTUD AFRICANA NEGRA


 PLAYBOY MANDOU AVISAR: “TRAZ OS “BICHO-SOLTO” E SEUS FILHOS QUE AS TRANCAS DAS JAULAS ESTÃO PRONTAS!”










Criminalização e acentuado genocídio da juventude negra através da redução etária de imputabilidade penal ou do prolongamento da medida sócio-educativa de internação.
Por Lio Nzumbi*
“O encarceramento massivo de corpos negros na era capitalista cumpre atualmente o papel que cumpriu as senzalas na era escravista.”                            
Angela Davis em “Are prisons obsolete?”.

Ao pensar sobre os objetivos anunciados da pena de prisão – “a prevenção (combate) a criminalidade e a ressocialização de apenados” - e no processo de criminalização que usa a seletividade sócio-racial como método não declarado de organização da sociedade e do Estado brasileiro (NZUMBI, 2010) apontamos a possibilidade deste processo de criminalização ser parte de um processo social mais amplo: o genocídio da comunidade negra no Brasil. A Convenção sobre a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio, aprovada pela Resolução 260A (III) do Conselho Geral das Nações Unidas, de 9 de dezembro de 1948 e tornada efetiva em janeiro de 1951 diz no art. II que genocídio é um complexo de atos cometidos com a intenção de destruir, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso, tais como: “a) Assassinato de membros do grupo; b) Atentado grave à integridade física e mental de membros do grupo;c) Submissão deliberada do grupo a condições de existência que acarretarão a sua destruição física, total ou parcial; d) Medidas destinadas a impedir os nascimentos no seio do grupo; e) Transferência forçada das crianças do grupo para outro grupo.”
Não são poucas as evidências históricas que nos mostram que este processo se desenvolveu como um mecanismo eficaz de manutenção de poder das elites brasileiras, tanto que se confunde com o próprio projeto de sociedade e Estado brasileiro. As propostas de redução etária de imputabilidade penal que tramitam no mais alto plano do parlamento brasileiro ou de alteração do ECA  no que toca o prolongamento da medida sócio-educativa de internação  são exemplos de projetos de políticas  criminais que apontam para evidencia de que a juventude negra se constitui como principal segmento social a ser vitimada por este processo de genocídio a qual nos referimos. Pretendemos aqui oferecer uma contribuição no sentido de compreender a expressão deste processo de genocídio nas propostas referidas e como este processo se desencadeia no plano político, sociológico e jurídico torno a alguns projetos de emenda constitucional (PECHYPERLINK "http://www.senado.gov.br/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=106330" HYPERLINK "http://www.senado.gov.br/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=106330"33/2012, PEC74/2011 e PEC 83/2011) e ao Projeto de Lei 5385/2013 apresentado pelo governador do estado de São Paulo, Geraldo Alkimim.
Marco normativo e doutrinário sobre a responsabilização de atos infracionais cometidos por crianças e adolescentes.


A grosso modo, a doutrina do Direito Penal brasileiro vai entender a imputabilidade penal como a possibilidade de responsabilização em decorrência de um determinado ato de infração penal. A Constituição da República Federativa do Brasil anuncia expressamente em seu artigo 228 que "São penalmente inimputáveis os menores de dezoito anos, sujeitando-se às normas da legislação especial."                     O referido dispositivo normativo de garantia de direitos expresso em nosso supremo diploma legal assegura mediante o artigo 228 que nenhuma criança ou adolescente será submetida à criminalização legal ao passo em que também garante que a responsabilização por atos infracionais se dará mediante legislação especial. O artigo 60, §4º, IV, da Constituição Federal indica que os direitos e garantias individuais se constituem como um núcleo irreformável do ordenamento jurídico brasileiro sendo estes direitos por este motivo considerados cláusulas pétreas. As referidas cláusulas pétreas foram estabelecidas pelo poder constituinte originário e por este exato motivo não podem ser alteradas pelo poder constituinte derivado emanado do legislador ordinariamente eleito.

Seguindo os princípios da Constituição brasileira, o Código Penal ratifica em seu Art. 27 que “Os menores de 18 (dezoito) anos são penalmente inimputáveis, ficando sujeitos às normas estabelecidas na legislação especial.” A legislação que deve ser aplicada aos menores de 18 anos é normatizada pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90), no qual as condutas delituosas eventualmente cometidas por adolescentes são denominadas atos infracionais e estão previstas no artigo 103 e as medidas sócio-educativas dispostas nos artigos 101 e 112 da referida norma. Esta diretriz segue lastreando em escala decrescente todo  o ordenamento normativo infraconstitucional. No entanto a inimputabilidade penal não se confunde com irresponsabilidade dos atos já que se coloca no art. 112 do ECA - Lei nº 8.069 de 13 de Julho de 1990:

Art. 112. Verificada a prática de ato infracional, a autoridade competente poderá aplicar ao adolescente as seguintes medidas: I - advertência; II - obrigação de reparar o dano; III - prestação de serviços à comunidade;IV - liberdade assistida; V - inserção em regime de semi-liberdade;
VI - internação em estabelecimento educacional; VII - qualquer uma das previstas no art. 101, I a VI.
§ 1º A medida aplicada ao adolescente levará em conta a sua capacidade de cumpri-la, as circunstâncias e a gravidade da infração. § 2º Em hipótese alguma e sob pretexto algum, será admitida a prestação de trabalho forçado.§ 3º Os adolescentes portadores de doença ou deficiência mental receberão tratamento individual e especializado, em local adequado às suas condições.

Todo ordenamento jurídico brasileiro aponta para ratificação desta mesma diretiva doutrinária: A Doutrina da Proteção Integral à criança e adolescente resguardando-os como sujeitos em especial estágio de desenvolvimento que devem ser submetidas às varas especiais de Infância e juventude e quando julgados procedentes atos infracionais cometidos pelos mesmos, devem estes cumprir medida socioeducativa de restrição e/ou privação de Liberdade nos casos da responsabilização de atos infracionais considerados de “alto teor ofensivo” (grave ameaça) ou Prestação de Serviço à Comunidade (PSC) e/ou Liberdade Assistida nos casos de atos considerados de “baixo teor ofensivo” ou de medidas socioeducativas de internação progredidas até medidas cumpridas em “meio aberto”.





Da ilegalidade e incoerência doutrinária das propostas de emenda constitucional pela redução da maioridade penal.


Em todas as propostas de emenda constitucional que tramitam na Comissão de Constituição e Justiça do Senado brasileiro no sentido de reduzir a idade etária de imputabilidade penal é possível flagrar não apenas a violação de direitos e garantias constitucionais e infraconstitucionais, mas também um esforço político e midiático em criminalizar a juventude negra.  A PEC 33/2012 colocada pelo senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) limita a redução da maioridade penal para 16 anos somente aos crimes tipificados como inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia como tortura, terrorismo, tráfico de drogas e hediondos (artigo 5º, inciso XLIII da Constituição) além dos casos em que o menor tiver múltipla reincidência na prática de lesão corporal grave ou roubo qualificado. A PEC 74/2011 colocada pelo senador Acir Gurgacz (PDT-RO) é ainda mais dura: propõe a extensão da imputabilidade penal a quem tem 15 anos e é acusado de homicídio doloso e roubo seguido de morte, tentados ou consumados. Já a PEC 83/2011 apresentada pelo senador Clésio Andrade (PMDB-MG) fixa o limite de 16 anos para responsabilização de qualquer tipo de ato delituoso assim como a plena emancipação jurídica no que tange todos os atos da vida civil.

As duas primeiras propostas anunciadas (PECHYPERLINK "http://www.senado.gov.br/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=106330" HYPERLINK "http://www.senado.gov.br/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=106330"33/2012 e PEC74/2011) além de violar a clausula pétrea disposta no art. 228 da Constituição federal propõe uma aberração jurídica declaradamente seletiva. A doutrina penal brasileira entende a imputabilidade como algo integral e indivisível. No entanto as referidas PECs propõem a aferição de culpabilidade apenas para algumas condutas delituosas em que em alguns casos o adolescente teria aptidão para responder criminalmente e em outros não. Outra questão que foge ao arbítrio jurídico, mas merece a nossa inteira atenção é o fato da seleção de alguns tipos de condutas a serem punidas redundarem também na seleção de determinados segmentos sociais a serem criminalizados (NZUMBI, 2010).

Também é importante salientar que este debate não é uma discussão que se dá com vistas nos danos que condutas delituosas causam a toda sociedade. A segurança publica pintada pelos defensores da ideologia da defesa social[1] figura como uma política destinada a garantir o bem estar (segurança) de todos. Por outro lado a própria forma em que o debate da redução da maioridade penal está sendo orientado já evidencia a quem se quer proteger e a quem se quer punir. Em 2007 ao lançar sob os holofotes o caso da morte brutal de um menino branco de classe media que foi impiedosamente arrastado pelos pés durante alguns quilômetros a imprensa de rapina condenou de forma veemente não apenas os jovens que cometeram o referido ato, mas criou substancia moral e ideológica para a formulação das PECs da redução da idade penal. Foi também a partir da comoção publica direcionada
 contra outros jovens negros e pobres que o debate se (re)atualizou provocando a opinião publica a fazer um lobby gratuito junto ao Senado brasileiro no sentido de apreciar as propostas de redução etária de imputabilidade penal. No inicio do ano corrente, um jovem estudante de Rádio e TV foi morto por um assaltante na frente do prédio onde morava reatando  de maneira oportunista e tendenciosa o debate. No entanto a comoção publica fomentada pela imprensa policial de rapina ao selecionar um caso isolado, ocultou os dados existentes sobre os atos infracionais no Brasil, elegeu a vida do jovem branco de classe media como bem a ser cuidado em detrimento da vida de milhares de jovens negros cotidianamente submetidos a um processo ininterrupto de criminalização e decorrente genocídio. A evidencia desta campanha ideológica genocida é ainda mais notória no crescimento de reportagens que pautam atos infracionais entendidos como “hediondos”. No primeiro semestre de 2013 o apelo dos programas policiais tem intensificado o investimento em reportagens que bombardeiam maçiçamente o imaginário publico com imagens e informações selecionadas em matérias que apontam  quase sempre o jovem negro como ideal de criminoso e membros de classe media como vitimas. Neste cenário toda vez que morre um jovem branco de classe  media e/ou alta há manifestação expressa nos grandes meios de comunicação e protesto que um dia veste branco e pede paz e noutro dia veste o burucutu, mata sumariamente,  criminaliza e tranca sistematicamente jovens negros sempre encarados como vilões, bandidos, vagabundos, maloqueiros, pivetes, vadios, ladrões, sacizeiros e traficantes que merecem estar na cadeia desde criança, que merecem pena perpetua ou letal como defendem abertamente aqui na Bahia programas como Balanço geral, Bocão e Na Mira. Programas policiais televisivos tipo “Cidade Alerta” são linha de frente desta campanha nacional de criminalização. Nos últimos meses a discussão tem estendido sua pauta em todos os setores de comunicação públicos e privados, inclusive nos mais expressivos meios de comunicação das grandes corporações midiáticas fazendo matéria jornalística de notoriedade local, nacional e até mesmo internacional[2].

Apesar das grandes corporações midiáticas apontarem todos os holofotes de seus programas policiais para criminalizar e/ou matar jovens negros favelizados, dados do Fundo das Nações Unidas para Infância apontam que a incidência desses atos é insignificante no país; Estes indicam ainda que a prática de infrações cometidas por adolescentes concentra-se nos danos contra o patrimônio, sendo relativamente baixa a taxa de atos que atentam contra a vida. De fato, ao contrario do que dá a entender o discurso dominante, os atos infracionais violentos cometidos por adolescentes não tem essa dimensão colocada pelas grandes corporações midiáticas quando consideramos o universo de condutas delituosas. Dados mais atuais da Unicef (2007) revelam que:

Dos crimes praticados por adolescentes, utilizando informações de um levantamento realizado pelo ILANUD [Instituto Latino-Americano das Nações Unidas para Prevenção do Delito e Tratamento do Delinquente] na capital de São Paulo durante os anos de 2000 a 2001, com 2.100 adolescentes acusados da autoria de atos infracionais, observa-se que a maioria se caracteriza crcomo crimes contra o patrimônio. Furtos, roubos e porte de arma totalizam 58,7% das acusações. Já o homicídio não chegou a representar nem 2% dos atos imputados aos adolescentes, o equivalente a 1,4 %.”
Os dados subsidiados em 2011 pela FUNDAC na Bahia também é um recorte ilustrativo da realidade. O plano estadual de atendimento socioeducativo demonstra que do total de atos infracionais é mais freqüente o Roubo (25,43%), o Tráfico de Drogas (22,25%), Furto (10,02%), Posse de Drogas (7,946 %), Lesão corporal (6, 968%), Porte Ilegal de Armas (5,501 %), Ameaça (5,012 %), Dano (2,567 %), Formação de Quadrilha (2,323 %), Vias de Fato (2,323 %).  Atos infracionais considerados de alto teor ofensivo como estupro e homicídio só vão contar numa posição posterior nesta escala de ordem crescente. O latrocínio, que é infração que isoladamente tem impulsionado o apelo midiático para comoção publica no sentido de cobrar leis mais duras é responsável por apenas 0,367%  do total dos atos infracionais cometidos por adolescentes que cumprem medida sócio educativa na Bahia.

A implementação de políticas criminais também não deve prescindir de uma analise histórica sobre a experiência de outros países que criminalizam maciçamente jovens crianças e adolescentes. Este exemplo de políticas criminais que imputam penas a menores de 18 anos em outros países demonstra o desastre que pode ser agravado no Brasil que já detém a terceira maior população carcerária do mundo com mais de meio milhão de presos confinados em verdadeiros depósitos de corpos jovens, negros, favelizados, em sua ampla maioria, desprovidos de acesso a outras políticas senão as criminais de superencarceramento e extermínio legitimada como “auto de resistência” pela policia ou justificada como “rixa entre facções do Trafico de drogas”.  O exemplo dos Estados Unidos  - país  em qual em certos estados uma criança de sete anos pode ser plenamente criminalizada com o mesmo rigor de um adulto e se abriga a maior população carcerária do mundo - não demonstra nenhuma relação entre o endurecimento de políticas criminais e a redução da tão combatida e comercializada “criminalidade”; alias, ao contrário, este país considerado exemplo de “primeiro mundo” detém alguns dos indicadores de letalidade violenta mais preocupantes do planeta.

Se fossemos travar uma discussão apenas a luz de argumentos meramente legalistas na análise das propostas de redução à maioridade poderíamos incorrer no risco de apreciar apenas a matéria constitucional e nos perguntar se o art. 228 constitui-se ou não como clausula pétrea – questões que possivelmente devem passar pela a ossada de competência do STF. No que toca especificamente ao projeto de lei PEC 83/2011 que fixa o limite de 16 anos para total emancipação jurídica a compreensão é de que o adolescente aos 16 anos já possui plena capacidade volitiva sobre o empreendimento ou não de atos infracionais assim como para responder por outros atos da vida civil. O argumento que diz que “o jovem de 16 já vota, já pode trabalhar ou exercer alguns direitos civis e por isso também pode ser lhe imputada penalização criminal” não se sustenta ao verificar que o voto dos 16 até o cumprimento dos 18 anos é facultativo e a concessão de outros direitos de ordem trabalhista ou civil é condicionado a uma serie de critérios de aferição de capacidade volitiva do adolescente na orientação de seus atos e na maioria destes direitos está prevista a autorização e/ou presença dos pais em alguns atos juridicos.


A prolongação das medidas socioeducativas de internação e semi-liberdade como modo inconfesso de criminalização

Demonstramos que o volume e os tipos de atos infracionais cometidos por adolescente não tem essa relevância gigantesca colocada pelos programas policiais que defendem a adoção de políticas criminais mais duras como modo de combate a "criminalidade". Ao contrario do que se coloca, o adolescente, jovem, negro, favelizado, que está na faixa entre 16 e 21 anos se constitui como um segmento social em situação de comprovada vulnerabilidade. Ao invés do algoz, do "bicho-solto" que precisa ser enjaulado, o tipo de adolescente criminalizado nos programas sensacionalistas de televisão é mais vitima da organização do projeto de estado brasileiro do que algoz da sociedade que o criminaliza e/ou elimina sumariamente em cadeia nacional sem nenhum direito ao contraditório ou ampla defesa como garante formalmente as leis.
O governador Geraldo Alckmin apresentou um Projeto de Lei ao Congresso Nacional (PL 5385/2013) que não propõe necessariamente a redução da maioridade penal, mas uma mudança paradigmática do ECA. Segundo a proposta um adolescente que cometeu um ato infracional julgado procedente deve ficar internado até os 26 anos, desde que seja condenado por crime “hediondo”. Em síntese, o PL 5385/2013 propõe três mudanças fundamentais na legislação vigente no ECA: 1) O aumento da penalidade máxima, que passaria de três para oito anos de internação valendo apenas para as reincidências em infrações análogas a crimes hediondos; 2) a adoção de um regime especial de atendimento para que o jovem siga cumprindo MSEI mesmo depois de completados os 21 anos - idade na qual, segundo o ECA, a MSEI deve ser compulsoriamente extinta. 3) a possibilidade de internação por tempo indeterminado em casos de comprovadas doenças mentais.
Apesar do calor emocionante que propõe medidas mais rigorosas e vingança estatal frente a atos infracionais atribuídos geralmente a jovens negros favelizados, entendemos que a adoção de uma proposta como a do PL 5385/2013 não pode se basear apenas em opiniões tomadas pela a emoção e o senso comum maciçamente difundidos como métodos de analise pelos programas policiais veiculados pelas grandes corporações midiáticas. Estamos falando do destino de 64 milhões jovens, o total da população com idade entre 0 e 18 anos, de acordo com o Censo 2010! Por isto propomos aqui a analise qualitativa e quantitativa dos dados disponíveis. Segundo a Secretaria de Direitos Humanos (SDH) houve em 2010 um crescimento de 4,5% sobre o número de adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas de privação de liberdade (internação e internação provisória) e restrição de liberdade (semiliberdade) em comparação com 2009. O Levantamento Nacional – Atendimento Socioeducativo ao Adolescente em Conflito com a Lei demonstra o crescimento da responsabilização dos atos infracionais mediante cumprimento de medida de internação e/ou semi-liberdade.
Fonte: Levantamento Nacional – Atendimento Socioeducativo ao Adolescente em Conflito com a Lei 2010
O estabelecimento do ECA significou na pratica uma contraposição doutrinaria do Principio da Proteção integral ao adolescente frente a ideologia da defesa social que propõe a criminalização massiva de jovens em situação peculiar de vulnerabilidade.  Baseado nesta perspectiva doutrinaria do ECA, o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA-  lançou as bases políticas e técnicas do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo – SINASE.  Tal política formulada para regulamentar a forma como o Poder Público deve prestar o atendimento especializado aos adolescentes que cumprem algum tipo de medida socioeducativa foi recentemente aprovado pela Lei nº 12.594, de 18 de janeiro de 2012. Com o advento da Lei nº 12.594/2012, passa a ser obrigatória a elaboração e implementação, nas três esferas de governo, dos chamados "Planos de Atendimento Socioeducativo", com a oferta de programas destinados à execução das medidas socioeducativas em meio aberto (cuja responsabilidade ficou a cargo dos municípios) e privativas de liberdade (sob a responsabilidade dos estados), além da previsão de intervenções específicas junto às famílias dos adolescentes que cumprem medida socioeducativa entendidos neste sentido como “socioeducandos”.
No entanto, mesmo que pese os avanços alcançados por este aparato normativo, se verifica, assim como em outros aspectos da realidade social brasileira, um gigantesco hiato entre o que é formalmente determinado e o que se é materialmente garantido. Apesar do avanço do ECA e do SINASE ainda coloca-se como desafio a ser vencido a superação dessa lógica punitiva presente em todos os momentos históricos do projeto de sociedade e Estado brasileiro. Em muitas instituições de atendimento “socio-educativo” ainda pode-se flagrar problemas de infra-estrutura e de violência física e psicológica contra adolescentes. Praticas existente desde o código do menor como o confinamento em “trancas de reflexão”, fomento e intensificação de rixas entre grupos rivais de adolescentes como modo de administrar a “segurança”, dificuldades de atendimento psicológico, social, medico e jurídico ainda são pertinentes à realidade atual, salvando-se algumas exceções. O Panorama Nacional – A Execução da Medida Socioeducativas de Internação apresentado pelo Conselho Nacional de Justiça informa que nos estabelecimentos de internação  ainda se experimenta a  privação de liberdade por tempo superior ao estabelecido pela lei; mais de 10% destes estabelecimentos registraram situações de abuso sexual e 5% deles apresentaram ocorrências de mortes por homicídio; um terço do total de 18 mil adolescentes reclusos em MSEI declarou sofrer algum tipo de agressão física por parte funcionários e um quarto dos estabelecimentos visitados já havia enfrentado situações de rebelião ou motins. O Plano Nacional de atendimento Socioeducativo formalizado através da Secretaria de Direitos humanos da Presidência da Republica elencou os seguinte diagnóstico a ser superado nos estabelecimentos de cumprimento de medida de internação:
Violações constantes aos direitos dos adolescentes, Ausência de Projeto Político Pedagógico em todas as Unidades e Programas Socioeducativos, ocasionando a descontinuidade das ações; Baixa efetividade na execução do projeto político-pedagógico na aplicação das medidas privativas; Práticas desalinhadas do ponto de vista conceitual e prático entre unidades socioeducativas, nos programas e entre os órgãos operadores do Sistema;Superlotação nas unidades socioeducativas; Inadequação de suas instalações físicas: ausência de cofinanciamento na manutenção, condições insalubres e ausência de espaços físicos adequados para escolarização, lazer, profissionalização, saúde e outras políticas necessárias; Ausência de vagas no sistema para atendimento de todos os adolescentes a quem foi aplicada a medida; Plano Individual de Atendimento inexistente ou pouco consistente; Baixa efetividade na apuração e responsabilização dos agentes públicos nos casos de violação aos direitos dos adolescentes; Destinação das vagas de internação provisória para jovens internados em decorrência de sentença (desvirtuamento do objeto do atendimento da unidade);Permanência dos adolescentes em unidades distantes do domicilio de seus pais ou responsáveis; Falta de entendimento e gestão sobre o sistema de segurança específico nas unidades de internação e semi liberdade; Desarticulação entre os executores das medidas socioeducativas de internação e em meio aberto.Insuficiência de Programa de Acompanhamento do Egresso, especialmente em relação ao meio sociofamiliar, mediante equipe multidisciplinar.
A proposta de Alkimim tão anunciada como uma política razoavelmente aplicável também violenta o ECA e o SINASE ao desconsiderar o caráter excepcional e breve que deve ter a Medida Socioeducativa de Intenação como dispõe os referidos marcos normativos. De fato, as instituições de restrição de liberdade em cumprimento de medida socioeducativa não parece em nada com a Disneylândia. Ao comparar a medida socioeducativa de internação e a pena de prisão na atualidade José Cordeiro Santiago é preciso e enfático ao dizer que:
Em comparação a um réu adulto, primário e de bons antecedentes, para que o mesmo permanecesse três anos recluso em estabelecimento prisional fechado, teria que ter sido condenado à pena de dezoito anos, cumprindo somente a sexta parte, segundo a progressão da pena. Com efeito, verifica-se uma discrepância grande, pois muitas vezes o adolescente primário condenado por roubo qualificado fica recluso em uma Unidade "Educacional" por mais de dois anos, enquanto que o condenado na esfera penal comum, pelo mesmo crime, com as mesmas circunstâncias pessoais, via de regra, não excede a 6 anos e, portanto, pode iniciar o cumprimento da pena diretamente em regime semi-aberto (artigo33, §2º, alínea "b" do Código Penal). Na pior das hipóteses, se condenado em regime fechado, cumprirá apenas 1 ano (1/6 da pena- Instituto da Progressão da Pena), contrariamente ao adolescente, que amargará cerca de dois anos em regime totalmente fechado tão degradante, odioso e violento quanto o regime prisional comum.

Tanto a legislação concernente a responsabilização dos atos infracionais - dispostas no Art. 228 da Constituição brasileira, no Art. 27 do Código Penal, no Art. 112 do ECA  e em todo aparato legal do SINASE - como a observância do principio da Proteção Integral ao Adolescente, são elementos jurídicos que se contrapõem a ideologia da defesa social que orienta com o apoio das grandes corporações midiáticas a idéia de que o adolescente negro favelado é um mal; um inimigo que a sociedade comandada pela a elite tem que se vingar e por isso criminalizar, encarcerar e enfim, eliminar física e/ou simbolicamente. No entanto, nem o aparato legal, nem a leitura estatística dos números, nem mesmo as teorias sociológicas que explicam a tão anunciada “criminalidade” dão conta de dimensionar a dor e todo prejuízo social causada pela criminalização seletiva de jovens homens negros. Setores de movimento social como a Campanha Reaja! na Bahia, o movimento Mães de Maio em São Paulo, Rede contra violência no Rio de Janeiro, AMAV no Espirito Santo tem denunciado para organismos nacionais e internacionais justamente o oposto que tem colocado os defensores da redução da maioridade penal e a mídia policial de rapina que fomentam cotidianamente a criminalização e conseqüente genocídio do povo descendente de africano e pobre que superpovoa ruas, favelas, manicômios judiciários, instituições carcerárias e de internação “sócio-educativa”.  Certamente é de se lamentar a morte dos jovens que foram vitimas de latrocínio por motivos banais; mas não podemos esquecer nem deixar cair no anonimato os nomes de Alax Carlos dos Santos e Luiz Henrique Sacramento Cerqueira sumariamente abatidos por um grupo de extermínio em um episódio que a campanha Reaja!  Chamou de “matança do Boiadeiro”;  não podemos esquecer de Cristinei Oliveira do Nascimento e Wendell Lapa Sousa, também abatidos por um grupo de extermínio em Pirajá; não podemos esquecer de Joel da Conceição Castro, um garato de 11 anos brutalmente assassinado pela policia baiana quando se preparava pra dormir em sua casa . Muito mais do que um número a ser contabilizado pela estatística policial estes meninos também tinham sonhos e projetos de vida quando foram abruptamente subtraídos dos seios de  suas famílias na fase mais produtiva de suas vidas.

Verificamos que há um emaranhado ideológico ao falar de privação de liberdade e racismo no Brasil, sobretudo no que toca as medidas socioeducativas de internação e sua relação com o processo cíclico de criminalização a qual tem sido historicamente submetida a comunidade negra no Brasil. Inúmeros esforços tem sido dispreendidos em torno do enfrentamento  ao  “racismo institucional” . No entanto se entendermos racismos institucional como “o fracasso coletivo de uma organização em oferecer um serviço apropriado e profissional a pessoas devido à sua cor” cairíamos na armadilha ideológica que postula  formalmente o mito de que a “segurança publica” representa a defesa e a proteção de bens jurídicos de toda a sociedade ao passo em que também ignoraríamos  o fato do sistema penal brasileiro funcionar na pratica como um método eficiente de organização da desnivelada sociedade brasileira. Preferimos pensar que existem a realidade entendida sob dois planos discursivos distintos: Um representado pelo o que é anunciado nas leis, doutrinas, ética e moral e o outro que pautado na realidade da História do Brasil organiza a sociedade usando o racismo como fundamental de sua estruturação.  Deste modo, enquanto setores do Estado gasta esforços em conferencias de igualdade racial e na aprovação e implementação de um Estatuto da igualdade racial extremamente frágil no que toca a reparação que estado brasileiro deve a população negra, verificamos, contraditoriamente, esforços do próprio estado para manter o genocídio como modo inconfesso de organização social. Em nenhum outro aspecto da vida social isto é tão evidente como no funcionamento do sistema penal. Ao pensar a ressocialização, a impunidade e a falência do sistema prisional como mitos da ideologia da defesa social verificamos que o sistema funciona bem: não para os propósitos anunciados (prevenção da criminalidade e ressocialização)  mas para o escopo inconfesso de organização da sociedade e do estado brasileiro: a criminalização que culmina nas formas mais diretas de genocídio como as execuções sumarias e o superencarceramento da juventude negra seja nas penitenciarias, presídios e carceragens, seja nas unidades de internação “socioeducativa”. O enfrentamento a esta política inconfessa de genocídio não pode se dar fora deste entendimento. Neste sentido, cabe acionar o sistema de garantia de direitos do SINASE articulando o poder publico, a sociedade civil e a família; pensar em políticas de ações afirmativas para jovens negros egressos ou  ainda internados em cumprimento de medida sócio-educativa articulando-as com as articulações pela implementação do Estatuto da Juventude e as resoluções do ENJUNE- Encontro Nacional de Juventude Negra; reatar um movimento social negro de rua que não se vende a cargos políticos nem migalhas utilizadas pelo racismo para dominar e dividir a população negra enquanto povo.


Quando o Genocídio foi entendido como  crime internacional para tratar do que foi acometido aos judeus vitimados pelas políticas  genocidas-nazistas não se estava falando necessariamente do extermínio propriamente dito, mas à negação sistemática de direitos  q redundaram em formas de se matar direta ou processualmente o povo Judeu. Ao pensar no modo como o Brasil trata a juventude negra não podemos deixar de entender a negação de Direitos básicos como saúde, saneamento básico, trabalho educação e renda como evidencia de formas indiretas e inconfessas de genocídio. No entanto, este processo se torna ainda mais evidente quando falamos de execuções sumarias através de armas de fogo e do superencarceramento massivo de jovens negros.  O mapa da violência elaborado com dados do Ministério da Justiça e do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde revela que o Brasil ultrapassou a marca de 1 milhão de homicídios nos últimos 30 anos e que há uma diferença sistemática entre segmentos sociais e regiões  na distribuição da letalidade violenta. A média anual de mortes por homicídio no país supera o número de vítimas em conflitos armados no mundo.  O Mapa da Violência 2012: A Cor dos Homicídios no Brasil. revela que, no total, 159.543 jovens negros foram vítimas de homicídio no Brasil, entre os anos de 2002 e 2010, um número muito superior aos 70.725 jovens brancos que morreram no mesmo período.O relatório revela que, no total, 159.543 jovens negros foram vítimas de homicídio no Brasil, entre os anos de 2002 e 2010, um número muito superior aos 70.725 jovens brancos que morreram no mesmo período.Verificamos portanto que a letalidade violenta se direciona sistematicamente contra jovens negros que, se comparados a jovens brancos, tem 130 % a mais de chances de morrerem vitimas de arma de fogo. O Brasil ocupa entre os 99 países em quais mais se mata crianças no planeta a quarta posição. As taxas cresceram 346% entre 1980 e 2010, vitimando 176.044 crianças e adolescentes. Apesar do discurso que defende a redução da maioridade penal colocar o jovem negro favelado como principal motor da violência, preferimos entender essa violência como um negocio lucrativo para as elites e a juventude negra como alvo principal de um processo histórico e ininterrupto de genocídio.

A leitura sociológica dos números por si só não dá conta de reparar os danos sociais geradas por esta realidade, mas possibilita que rebatemos o ideário midiático que pinta o jovem negro favelado como representante da violência letal e entendamos que o processo histórico de criminalização da juventude negra é parte de um processo sócio-histórico mais complexo: o genocídio da comunidade descendente de africano no Brasil. Através da criminalização seletiva que elege jovens negros como padrão de “criminalidade”  não apenas se diminui a possibilidade de sobrevivência da comunidade negra, mas também se controla aqueles que representam uma ameaça a ordem social, se recruta o chamado “exercito reserva” que ao ter reduzida as suas possibilidades de desenvolvimento educacional, profissional e econômico se soma a massa de jovens negros favelados que dão lucro a indústria do crime e da violência fazendo irrigar o capital da indústria armamentista, do trafico de drogas e das corporações midiáticas que vendem em rede nacional a nossa criminalização sem que tenhamos direito à defesa.  O direito Penal deve ser encarado segundo a doutrina jurídica como a Ultima Ratio, o direito que só deveria ser acionado quando os outros direitos sofrerem algum dano. Mas a ordem social demonstra o contrario: na favela pode até faltar aluno na escola, comida na panela ou rede de esgoto na rua, mas não pode faltar policia caçando preto, cadeia pra encurralar a maloca e mãe chorando sobre o corpo esburacado e/ou encarcerado de seu filho. Para a comunidade negra a única política que não falha é a criminal.


*Lio Nzumbi Militante Pan Africanista BRASILEIRO, é nascido e criado por Dona Isaura Silva Santos na Favela soteropolitana de Pirajá, poeta rimador, sociólogo, educador de medida socio-educativa e graduando em Direito na UFBA. Fui militante FOJA, partido nKRUMISTA DE Brasil e ASOCIAçao do FAMILIARES e AMIGOS DE PRESOS  de Salvador Bahia









REFERÊNCIAS:

Plano Nacional de Atendimento Socioeducativo da Secretaria de Direitos Humanos da Presidencia da Republica disponivel em http://www.sedh.gov.br/spdca/sinase/consulta-publica-2013/SINASE-Plano_Decenal-Texto_Consulta_Publica.pdf acesso em 20.05.2013

Panorama Nacional – A Execução da Medida Socioeducativas de Internação do Conselho Nacional de Justiça disponível em www.tjpe.jus.br/corregedoria/publicacoes/Panorama_Nacional.pdf



BRASIL, Constituição da Republica Federativa do Brasil de 1988 .Disponivel em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 20.05.2013

BRASIL,  Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA - Lei nº 8.069 de 13 de Julho de 1990. Disponivel em http://bd.camara.gov.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/785/estatuto_crianca_adolescente_7ed.pdf


BRASIL, SINASE - LEI Nº 12.594, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12594.htm

PEC 33/2012 apresentada pelo senador Aloysio Nunes (PSDB-SP). Disponivel em http://www.senado.gov.br/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=106330 . Acesso em 20.05.2013

PEC 74/2011 apresentada pelo senador Acir Gurgacz (PDT-RO). Disponivel em

PEC 83/2011 apresentada pelo senador Clésio Andrade (PMDB-MG). Disponível em http://www.senado.gov.br/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=101882. Acesso em 20.05.2013

Levantamento Nacional – Atendimento Socioeducativo ao Adolescente em Conflito com a Lei 2010. Disponivel em

PL 5385/2013. Câmara dos Deputados do Congresso nacional. Disponivel em http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=572144. Acesso em 20.05.2013

LATUFF, Carlos. Disponivel em http://br.bing.com/images/search?q=www.latuff&FORM=HDRSC2# . Acesso em 20.05.2013

Mães de Maio. Do Luto à Luta!  Edição Independente . 2011. Disponivel em http://maesdemaio.blogspot.com.br/. Acesso em 20.05.2013.

FRAUZINA, Ana Luiza Pinheiro. Corpo Negro Caído no Chão. O sistema Penal e o projeto genocida do Estado brasileiro. Dissertação de mestrado UNB. Disponível em http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/5117/1/2006_AnaLuizaPinheiroFlauzina.pdf. Acesso em 20.05.2013.

BARATTA, Alessandro. Criminologia Crítica e Crítica do Direito Penal.  Editora: Revan. 3ª Ed. 2002 .

SANTOS, Elias de Oliveira.  Racismo Institucional: desenvolvimento social e políticas públicas de caráter

SOUZA, Isabel Cristina Baptista. DA (IN)CONSTITUCIONALIDADE DA REDUÇÃO DA MENORIDADE PENAL NO BRASIL. Disponível em http://www.portalcatalao.com/painel_clientes/cesuc/painel/arquivos/upload/temp/a467ff0e925e8f9675204a0c7f6e8bb9.pdf. Acesso em 20.05.2013




[1] A ideologia da defesa social  se sagrou entre meios leigos, técnicos e científicos como um arcabouço ideológico e filosófico resultado da confluência de elementos teóicos da escola clássica  e da escola positiva do Direito Penal. O projeto de controle penal moderno se firmou a partir da aparente contradição instaurada entre estes vetores teóricos que na realidade se complementam na conformação dos seguintes princípios ideológicos-doutrinários: a) Princípio de legitimidade, que compreende o Estado como instância socialmente legítima para a repressão da criminalidade; b) Princípio do bem e do mal, que vê no delito um dano para sociedade e no delinqüente um elemento disfuncional para o sistema social; c) Princípio da culpabilidade, que rejeita o delito como expressão de valor contrário às normas mesmo antes de sua sanção pelo legislador; d) Princípio da finalidade, que compreende a pena como a necessária contra motivação ao comportamento criminoso; e) Princípio da igualdade, que postula idêntica reação penal diante de todos os autores de delitos; f) Princípio do interesse social, que compreende os interesses protegidos pelo direito penal como inerentes a todos os cidadãos. (BARATA apud FRAUZINA). A idéia de segurança publica  e gestão  

[2]  O colunista  da revista Veja Ricardo Setti  publicou: “Aos 16 anos um jovem deve poder dirigir, votar mas também ir para cadeia, aponta resultado de nossa enquete”. Disponível  em  http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/tag/maioridade-penal/. Na edição de maio de 2013 pra falar de vitimas de atos infracionais a revista publicou em sua capa “Enquanto o governo e as ONGs se ocupam em amparar assassinos de todas as idades, uma geração de vitimas invisíveis cresce sem pais  e sem apoio”.